20
Nov 07

        O retrato está pousado sobre a mesa. Lá fora, o sol toca as árvores do parque. São duas pessoas: a mãe e o folho, a lembrarem aquilo que foi. O tempo passa e leva com ele o passado. As memórias tornam-se difusas, dir-se-ia que só os retratos permitem que se saiba ter existido cada um desses rostos.

        Levantou-se. Olhou as árvores e lembrou: “Como seria se ele ainda estive-se aqui.” O filho não tem quase nada na memória, a sua memória é o retrato que permanece pousado em cima da mesa e as suas poucas recordações.

        No retrato permanece o sorriso do seu pai que partira outrora, naquele fatídico acidente, um acidente injusto pois ele não merecia sofrer essa morta.

        O seu pai morreu quando ele ainda era criança tendo sempre na memória o pai como um herói, um homem robusto e trabalhador com muito afecto para com a família.

        Naquela tarde em que ele partiu e nós ficamos, sentimos os dois a mágoa a saudade. No entanto aprendemos a viver sem ele e apenas com um simples retrato que traça o seu rosto e nos aviva as memórias do seu carinho e da felicidade que vivemos, jamais do seu amor poderei esquecer e se fui eu aquele que tu mais quiseste que eu conserve em ti a esperança de rever-te, quiçá um dia……… PAI.

publicado por andreiasofias7 às 11:41

comentário:
O texto está simples, mas há claramente uma evolução, sobretudo ao nível da ortografia.
Professor Paulo Faria a 23 de Novembro de 2007 às 22:01

Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO