29
Jan 08
Acordei uns dias depois, e dei por mim deitado num jardim cheio de pessoas. Não sabia como fui ali parar, mas de uma coisa eu tinha a certeza, tinha de mudar de roupa e pôr-me em condições. Todas as pessoas que passavam reparavam em mim ou por estar ali deitado no chão. Há quantos dias eu estaria ali, bem isso não importava o que interessava era saber o que queria dizer aquilo que vi e porque vim fui ali parar. Devem estar as duas coisas ligadas. Mudei de roupa e fui dar um passeio pelo jardim enquanto comia uma peça de fruta e um pão. Após ter acabado de comer comecei a pensar naquilo que vi e a fazer perguntas a mim próprio. “Será que não passou de um sonho?”, “Será que vivi outra vida enquanto dormi?” e “Quem me poderia ajudar a descobrir o que tudo aquilo queria dizer?”. No entanto não tinha resposta para nenhuma das perguntas. Ao fim do dia quando o jardim já estava deserto e só se ouvia as danças do vento e as folhas a dançarem com ele. Deitei-me no banco e acabei por adormecer foi então que voltei a ver umas coisas brilhantes esquisitas que via e o que aquela voz a dizer-me “Procura o cubo secreto e encontrarás a resposta.” Acordei assustado e não conseguia perceber. Já era de dia e não devia demorar muito a que o jardim voltasse a ficar cheio de pessoas. Durante o resto do dia não parei de pensar em que queria dizer aquelas coisas brilhantes esquisitas que via e o que aquela voz dizia. O dia passou e eu estava ainda a andar pelo jardim quando de repente vejo uma luz a vir dos arbustos, mas tão depressa apareceu como voltou a desaparecer e eu fui ver o que era. Procurei por entre a ramagem dos arbustos até que toquei numa coisa dura, era uma caixa mas estava fechada à chave procurei em todos os meus bolsos uma chave mas nada. Continuei a andar pelo jardim com a caixa na mão até que ouço um barulho como se fosse um metal a cair ou a bater em alguma coisa, olhei para o chão e vi uma chave, peguei nele e tentei abrir a caixa, por surpresa ela abriu e de lá de dentro veio uma luz intensa como a dos sonhos, eram moedas de ouro. Dentro da caixa vinha também um papel a dizer: “Espero que isto te dê jeito, visto que és uma pessoa tão generosa e necessitada ofereço-te este presente. Boa Sorte do teu Anjo da Guarda.” Passado isto voltei a deitar-me num banco de jardim e adormeci.
publicado por andreiasofias7 às 11:34

comentário:
Um bom texto.
Gostava que continuasses a escrever. Talvez seja melhor escrever textos mais curtos mas com maior periodicidade.
Paulo Faria a 12 de Março de 2008 às 23:21

Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
30
31


mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO