09
Abr 07

Resumo

 

Nome: Andreia Sofia Rego dos Santos  Número: 3 (três)

Título: Um beijo no pé

Autora: Maria Teresa Maia Gonzalez    Editora: DIFEL

Data: 06/04/2007                                Página: 1 até à 60

           07/04/2007                                            61 até à 118

 

        A história começa com dois adolescentes que se amavam muito, mas ela ficou grávida e os pais não aceitavam a sua gravidez e precionaram-na tanto que acabou por fazer o aborto, indo contra a vontade do namorado sem sequer o avisar do que fizera, quando ele soube ficou revoltado e não quis saber o que a namorada estava a sofrer.

        Depois de muita gente o avisar que devia fazer as pazes com a Filipa (a namorada) ele não ligou a isso e quando se apercebeu que estava a ser errado para com ela caiu em si.

        Mais tarde procurou-a mas não a encontrava em lado nenhum, ligou para casa dela e foi a mãe da Filipa que atendeu o telefone, o Miguel pediu para falar com a Filipa, mas no entanto a mãe não deixou e disse que ela ainda estava a recuperar da operação que tinha feito ao apêndice e que não estava em condições de falar com ninguém.

        O Miguel não aguentou e escreveu uma carta, mas não a chegou a entrega-la, no entanto não desistiu de falar com a Filipa e resolveu ir a casa dela, mas a Filipa não estava.

        Uns minutos depois avistou a Filipa ao fundo da rua e correu para a alcançar, pegou nela e levou-a até à quinta da avó materna a apontando para uma macieira carregada de frutos, comentou com a namorada que queria ter tantos filhos com a macieira, perdoando-a por aquilo que ela tinha feito e a Filipa ficou admirada com o que ele disse e perguntou-lhe se queria assim tantos e logo de imediato ele respondeu que ia contar quantas maçãs tinha a macieira.

publicado por andreiasofias7 às 19:06

Resumo

 

Nome: Andreia Sofia Rego dos Santos  Número: 3 (três)

Titulo: Seis Contos de Eça de Queirós

Autora: Luísa Ducla Soares             Editora: Terramar

 

1º Conto (A aia)

 

Data: 15/12/2006

Página: 1 até à 16

 

        A história dá-se com uma rainha que perdeu o marido na guerra e que tinha um filho bebé para criar, certo dia quiseram matar o príncipe e a aia trocou os bebés, pôs o filho dela no berço real e o príncipe no berço de verga.

         Os soldados entraram no quarto e levaram o filho da aia, a rainha minutos depois entrou no quarto e ao ver o berço vazio começou a chorar, mas a aia foi buscar o príncipe e a rainha pensou como recompensa-la, até que alguém sugeriu que a levassem à sala do tesouro real, então ela pegou num punhal e espetou-o no coração.

         E assim acabou a vida da aia e a história (conto).

 

2º Conto (O tesouro)

 

Data: 15/12/2006

Página: 17 até à 26

 

        O conto começa por referir 3 (três) irmãos muito pobres que um belo dia foram passear para a mata e encontraram um baú com moedas de ouro e decidiram que cada um ficava com uma chave. Enquanto o mais novo foi buscar comida e bebida os outros dois pensaram em mata-lo e quando ele se aproximou tiraram-lhe a chave e mataram-no. O irmão do meio chegou ao tanque para se lavar o mais velho espetou-lhe a arma no coração e ele caiu sobre o tanque.

         Mais tarde o mais velho foi ver o que o irmão tinha trazido para comerem e começou a beber o vinho um pouco depois começou a sentir um fogo dentro dele, era veneno que o irmão pusera no vinho e caiu sobre a erva.

         Quando anoiteceu um bando de corvos comera os três irmãos.

 

3º Conto (O defunto)

 

Data: 15/12/2006

Página: 27 até à 44

 

        A história dá-se entre o ano 1474 e1475 com um caleiro chamado D. Rui que tinha como madrinha a Senhora do Pilar então o cavaleiro ia todos os dias rezar à frente do seu altar. Até que um belo dia viu a rezar D. Leonor esposa de D. Afonso de Lara, por quem se apaixonou. A partir desse dia o cavaleiro começou a procura-la, até que um dia D. Afonso que era muito ciumento inventou um plano e ordenou a D. Leonor que escrevesse uma carta para D. Rui e que menciona-se nessa mesma carta um encontro em Cabril (onde estavam a passar férias) numa noite.

          E nessa mesma noite D. Rui pôs-se a caminho para cabril, mas quando chegara ao Cerro dos Enforcados um enforcado falou para ele e pediu que o tira-se dali e o leva-se com ele e assim foi quando chegaram em frente dos portões do palácio D. Rui deixou o cavalo amarrado para não fazerem barulho e numa varanda estava uma escada por onde o enforcado subiu com as roupas de D. Rui e ao chegar lá cima foi atingido por uma lâmina de adaga e logo nesse instante D. Rui percebeu que tinha caído numa armadilha, mas o enforcado levantou-se e eles foram-se embora, quando chegaram novamente ao Cerro dos Enforcados o enforcado pediu a D. Rui que o pendura-se outra vez.

         Ao amanhecer D. Afonso foi procurar o corpo de D. Rui, mas não o encontrou. E quando voltaram de Cabril (de férias) para Segóvia D. Afonso cruzou-se com D. Rui muito sorridente a passar na rua.

         E assim acabou mais um dos contos de Eça de Queirós.

 

4º Conto (Frei Genebro)

 

Data: 16/12/2006

Página: 45 até à 54

 

        O conto trata-se de um frade chamado Genebro que queria ser santo e fez muitas coisas de bem mas um dia para ajudar um amigo cortou uma pata a um porquinho deixando-o a guinchar numa poça de sangue.

         E num certo dia tinha chegado a hora de Genebro morrer e então os anjos vieram buscar a sua alma e pesaram-na e a balança começou a pesar muitas coisas boas, mas de repente começou a pesar uma coisa muito má, era o porquinho e então Deus pegou nela e mandou-a para o purgatório.

         E assim acabou a vida de Genebro.

 

5º Conto (Civilização)

 

Data: 16/12/2006

Página: 55 até à 70

 

        A história trata-se de um homem muito civilizado, muito rico, mas infeliz e um dia quando vai de férias ao mudar de comboio deixa tudo para traz, e quando chega à serra começa a perceber o bom da vida e decide ficar lá a viver para o resto da sua vida, encontra uma mulher e vai-se casar. O seu amigo começa a notar o sorriso na sua cara.

         Esta história ajuda-nos a perceber o que é a felicidade.

 

 

 

6º Conto (O suave milagre)

 

Data: 16/12/2006

Página: 71 até à 79

 

        O conto fala-nos de Jesus, das suas aparições e dos seus milagres, o conto mostra-nos que quem procura Jesus e não acredita nunca o encontra, mas quem acredita encontra-o sempre mesmo estando doente porque o rico procurou e não encontrou, o forte (que tem poder) procurou e não encontrou, mas a criança estava doente não se mexia e acreditava em Jesus, pediu à mãe que o fosse procurar porque o queria ver e Jesus apareceu à criança.

         O conto tem como objectivo mostrar que quem não acredita não consegue ver Jesus, mas quem acredita vê sempre.

publicado por andreiasofias7 às 14:11

Resumo

 

Nome: Andreia Sofia Rego dos Santos  Numero: 3 (três)

Titulo: O Bando dos Quatro, Um Mistério em Sintra

Autor: João Aguiar                 Editora: ASA

Data: 19/10/2006                    Página: 1 até à 13

         26/10/2006                                                          14 até à 24

                02/11/2006                                    25 até à 42

                09/11/2006                                    42 até à 68

                10/11/2006                               69 até à 146

  

        Estavam de férias e não iam a nenhum lado quando receberam a noticia que a abertura da estalagem ia ser adiada devido à falta de roupa e a cozinha não estar acabada.

         Pouco tempo depois o Carlos e o Álvaro receberam um convite da Catarina para irem passar 15 dias a Sintra a casa da Tia Luísa e assim foi no dia seguinte logo de manhã o pai do Frederico estava à porta de casa do Carlos para os levar a Sintra, logo que chegaram foi difícil dar com a casa e quando chegaram instalaram-se e combinaram que no dia seguinte iam fazer um piquenique no parque municipal. E assim foi no dia seguinte a Catarina foi bater à porta do quarto dos rapazes para irem para o parque onde viram o Tio João e uma equipa cinematográfica que estava a precisar de quatro adolescentes para figurantes, e eles pensaram que podiam ser eles e o Tio disse-lhes para aparecerem ali amanhã.

         Logo de manhã lá estavam eles e fizeram acontecendo coisas muito estranhas com o actor principal, parecia que estavam a tentar matado e como sempre o Bando dos Quatro teve de entrar em acção e enquanto seguiam o actor principal foram presos numa casita e quando saíram dali viram uma pessoa a tentar matado mas não conseguiu graças ao Bando dos Quatro desta vez em Sintra e não em Vila Rica.

publicado por andreiasofias7 às 14:09

Abril 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO